Notícia 18:36 - 18 de abril de 2019

O primeiro trimestre deste ano registrou aumento acumulado de preços que chegou a 79,3%, como é o caso do feijão, de acordo com uma análise de mercado realizada pela GfK Brasil. A pesquisa abordou produtos in natura e os principais líderes de mercado. Neste caso, foi apresentado resultado das seguintes categorias: feijão, batata, cebola, ovo, desinfetante e sabonete.

Segundo o diretor de atendimento da entidade, Marco Aurélio Lima, motivos como condições climáticas, redução de áreas plantadas e até recuperação de margens de lucro defasadas foram algumas das causas. “Nos casos do feijão e da cebola, por exemplo, excesso de chuva e redução da oferta causaram uma distorção nos preços; já no caso do ovo, os preços estavam defasados no segundo semestre de 2018 e sofreram um ajuste”, explicou.

Como consequência da queda de alguns produtos, principalmente os agrícolas, houve uma diminuição das ofertas no varejo, representado na maior parte pelos supermercados, que são os maiores pontos de vendas de alimentação, produtos de limpeza e de uso pessoal.

“Percebemos variações ao aumento de preços em diferentes regiões do país, com diferentes intensidades”, afirmou Lima. Apesar de todas as regiões terem sua inflação nos produtos do quadro abaixo, o Centro-Oeste acabou sofrendo um pouco mais, de acordo com o diretor.