Notícia 09:42 - 13 de setembro de 2019

A liberação dos saques das contas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), que começa hoje (13/09), deve contribuir para que muitos brasileiros regularizem o pagamento de suas contas em atraso.

Entre os beneficiários que pretendem resgatar o dinheiro, 38% têm a intenção de quitar todas ou pelo menos parte de dívidas pendentes — o que significa que aproximadamente 9,7 milhões de brasileiros devem utilizar esse dinheiro extra para ‘limpar o nome’. Os dados são referentes à pesquisa conduzida pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Entre as principais dívidas que serão pagas com o FGTS, o cartão de crédito figura como o mais citado, com 42%. Depois aparecem as contas atrasadas de telefone (20%), contas de luz (18%), água (16%), empréstimos bancários (16%) e empréstimos com parentes ou amigos (16%).

Enquanto isso, um terço (33%) dos consumidores irá guardar ou investir os recursos. Por outro lado, 24% vão direcionar o dinheiro para cobrir despesas básicas do dia a dia e 17% realizar compras em supermercados. Há ainda 13% que pretendem realizar compras de produtos e serviços e 10%, antecipar pagamento de compras que não estão em atraso como, prestações de casa, carro, crediário, cartão de crédito etc.

Para o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, a liberação dos saques é uma medida importante para aquecer a economia, pois estimulará tanto a recuperação de crédito quanto o consumo de bens. “Livre das dívidas, o consumidor poderá retornar ao mercado de crédito, aumentando as vendas no varejo”, analisa. O executivo ainda aconselha os trabalhadores que não estão no vermelho a começar uma reserva para imprevistos, ou aproveitar o dinheiro extra para antecipar o pagamento de contas não atrasadas, caso haja algum desconto.

Veja também:

Vendas no varejo paulistano crescem 1% em agosto

Endividamento entre adimplentes sobe para 80%

Economia escapa de recessão técnica com alta do PIB