Artigo 10:40 - 27 de março de 2020

Parte 1

“Turbulência em negócios é definida como mudanças imprevisíveis e rápidas nos ambientes externo e das empresas, que afetam seu desempenho. O “efeito borboleta”, consequência da crescente interconexão, interdependência e globalização”. Kotler e Caslione – Vencer no Caos

O acrônimo VUCA, Volátil, Incerto (Uncertainty em inglês), Complexo e Ambíguo nunca fez tanto sentido.   O mundo está “VUCA” e nós ainda convivemos com a nossa “muvuca” Os futurologistas, há algum tempo, já previram que viveríamos crises em intervalos de tempos cada vez mais curtos, ou seja, teremos crises mais frequentes e imprevisíveis.

Se preparar é fundamental porque o mundo não será o mesmo pós Covid-19.  Teremos impactos econômicos, mas também mudanças na mentalidade, valores, expectativas e nos hábitos de compra, consumo e nas relações de ensino, trabalho e poder. A crise atual acelera as transformações em curso na sociedade. A forma de comprar, vender e a configuração da cadeia de abastecimento passará por aceleradas mudanças. Neste contexto VUCA, será impossível o líder acompanhar tudo e novas formas de liderança que já estão sendo discutidas, precisam ser avaliadas e implementadas.

Para propiciar uma leitura rápida, o tema será dividido em vários artigos e as fontes consultadas serão sempre publicadas no final, para quem tiver interesse em se aprofundar nos temas.

O papel do líder

Em chinês, a palavra crise é composta de dois ideogramas. Um representa perigo e o outro oportunidade. Essa imagem é importante porque o líder tem o papel central de dar sentido para as pessoas seguirem em frente.  Ser realista com uma dose de otimismo é vital para inspirar as pessoas e as motivarem para seguirem em frente.

Ter uma comunicação frequente e curta, mesmo não tendo todos os elementos. Estabelecer a conexão humana é vital.  Evitar comunicações conflitantes é essencial para que as pessoas tenham uma direção e possam agir. O líder não terá todas as respostas e precisa ter a humildade para aceitar sua vulnerabilidade. Essa aceitação não o tornará fraco, pelo contrário, abrirá espaço para o diálogo e criará condições para o diálogo, ou seja, dar voz para as pessoas, o que permitirá a manifestação de diferentes pontos-de-vista, esclarecimento de dúvidas para que todos estejam no mesmo barco e remando na mesma direção.

O alinhamento da direção, a descentralização do poder por meio de uma estrutura mais horizontal, equipes multidisciplinares para se ter uma visão mais sistêmica que vai além dos silos e das fronteiras da empresa. Esse caminho é que criarão as condições para  líderes de negócios terem  uma nova visão de mundo e novos referenciais para lidar com tanta instabilidade. 

As ações do líder:

“Cada decisão que você tomar deve basear-se não somente em solucionar os problemas imediatos, como também em ajustar a trajetória futura da empresa” (Liderança na era da turbulência econômica).

Desenvolver uma organização confiante. “Em tempos de crise, a confiança é fundamental. De acordo com o artigo da Deloitte, está é a fórmula simples que enfatiza os principais elementos: Confiança = Transparência + Relacionamento + Experiência”

A construção da confiança passa pela transparência, em compartilhar o que sabe e admitir o que não sabe, sem rodeios. Confiança é a base dos relacionamentos e torna a empresa ágil.

O que é vital na postura do líder

Abraçar o propósito e a missão, para que a razão e o coração caminhem juntos com o ser humano no centro das decisões.  É vital preservar a essência e a identidade da organização, buscando um equilíbrio entre o que precisa ser preservado e renovado numa perspectiva de curto e longo prazo.

Criar visões e atitudes positivas que reconheçam a realidade.  Não subestimar o conhecimento das pessoas. As mídias sociais trouxeram mais transparência e velocidade para os acontecimentos. Colete informações em tempo real e compartilhe com a equipe, sejam elas boas ou ruins, mas não esqueça de ter uma dose de otimismo para dar sentido às pessoas a superarem o medo para moldar o futuro desejado.

Inspirar as pessoas. Vivemos a era da ansiedade e as pessoas estão desconfiadas, o que pode paralisá-las. Dê um sentido, um propósito e as inspire para que elas possam criar alternativas

Liderar pelo exemplo. As pessoas ficarão atentas as incoerências. Comunicar-se com autenticidade, ter humildade e honestidade intelectual (assumir o que sabe e o que não sabe), compartilhando a sua visão de mundo, reconhecendo os próprios limites da percepção e escutar de forma ativa a opinião das pessoas. Ser transparente considerando o fluxo de informação e a motivação da equipe.

Estar na linha de frente. O líder precisa ir para a linha de frente para eliminar os filtros e estar preparado para receber más notícias. Há líderes que ficam dentro de bolhas e não escutam o que está no seu entorno, se distanciando da realidade. “Você precisa reunir seu pessoal, coletar as melhores opiniões e sugestões relativas aos problemas diante da empresa e desenvolver uma solução que não somente lide com a crise atual, como também defina um percurso para que a empresa sobreviva às dificuldades”. Harvard Business Review

Ter objetivos específicos, mensuráveis, com definição clara de responsáveis e prazos determinados. Os objetivos ajudam a equipe ficar a focada e proporcionam um propósito para as pessoas agirem. Estabeleça marcos intermediários para que as pessoas possam ter a certeza de que os resultados são desafiadores, mas alcançáveis. Crie condições para elas celebrarem as conquistas intermediárias. Isso é energizante e contribui para seguir em frente, apesar dos obstáculos.

Ser didático e demonstre para todas as pessoas a importância e impacto de suas ações. Parta das premissas de que varejo é detalhe e de que o óbvio não existe. “Quanto mais pessoas valorizarem a importância do papel de cada um para que a empresa sobreviva à tempestade e possa sair fortalecida, melhor será o desempenho delas no trabalho” (Liderança na era da turbulência econômica).

No próximo artigo, continuarei com o resumo abordando o que fazer na prática,  como ter um time multisdiscplinar,  a importância de construir um quadro geral para uma melhor compreensão do ambiente externo e interno; a importância do propósito, missão, visão, valores, estratégia, a relevância de ter em perspectiva o curto e longo prazos, o momento de promover transformações que estavam sendo adiadas como inovar considerando o presente e o futuro, a contribuição de cada área, etc.

Fontes consultadas

Liderança em tempos de turbulência – Ram Charam - https://amzn.to/2wx0Sqm

Vencer no caos - https://amzn.to/2UHS8Wc

Lead your business through the coronavirus crisis - https://bit.ly/33Pm8nk

The heart of resilient leadership: Responding to COVID-19 - https://bit.ly/2UGKDPd

 

Até breve!

Olegário Araújo

Cofundador da Inteligência360 e pesquisador do FGVcev – Centro de Excelência em Varejo da FGV EAESP

Olegario.araujo@in360.com.br

 


Veja também