Notícia 17:04 - 28 de novembro de 2019

A Black Friday deste ano tem previsão de desempenho positiva, de acordo com projeção da GfK. Diante da melhora, ainda que lenta, da economia, a empresa de estudo de mercado espera alta de 7,5% no faturamento de canais físicos e online, atingindo R$ 14 bilhões em 2019, contra os R$ 13 bilhões registrados no ano passado. Este aumento está relacionado a alguns fatores pontuais, como o saque do FGTS e a maior confiança dos brasileiros em relação ao consumo.

Segundo o estudo, boa parte dos R$ 30 bilhões injetados na economia com os saques individuais do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço deve ser destinada à compra de bens duráveis, categoria que terá maior procura durante a data comercial, principalmente nos produtos de linha branca (fogões, geladeiras, lavadoras), televisores (acima de 50 polegadas), smartphones (acima de R$ 2 mil) e portáteis em geral (cafeteiras, aparadores, barbeadores e chapinhas).

Já a confiança passou de 85 pontos em maio para 91,6 entre os consumidores em outubro, indicando um crescimento consistente para o período. Da mesma maneira, a confiança para o momento econômico futuro ultrapassou a marca de 100 pontos, atingindo a classificação “otimista” pela primeira vez desde março deste ano. Por outro lado, do ponto de vista dos empresários, a aprovação da Reforma da Previdência retirou um ponto de incerteza e liberou caminho para investir e empreender.

Além disso, o trabalhador obteve uma melhora de 2,4% no poder de compra, já que a inflação se mantém abaixo da meta, dando fôlego à massa salarial real. Os juros mais baixos – puxados pela taxa Selic em mínima histórica de 5% - também melhoram as condições de compra parcelada, modalidade preferida na Black Friday.

Veja também:

Classes mais baixas movimentam a Black Friday

Carrefour realizará Black Friday omnicanal

Cresce nº de quem vai comprar só se descontos compensarem


Veja também