Notícia Coronavírus 17:25 - 11 de maio de 2020

Junto com o Grupo Samel (rede de hospitais), o Instituto Transire desenvolveu um sistema capsular para diminuir a necessidade de intubação dos pacientes com Covid-19. O equipamento chama-se Cápsula Vanessa, em homenagem a uma paciente que foi tratada por meio dele e se recuperou.

A cápsula, facilmente higienizada, possui um sistema de ventilação, não invasivo, desenvolvido por dois fisioterapeutas da rede privada, que serve como uma barreira de proteção contra o vírus, para que os profissionais da saúde possam atender os pacientes contaminados.Ou seja, sem entrar em contato direto com eles, e assim, se protegerem de uma eventual contaminação.

A solução pode inclusive diminuir a dependência dos respiradores, que alguns pacientes possam vir a ter. “Se utilizada logo no momento da internação, a cápsula pode evitar a evolução do quadro para intubação endotraqueal e reduzir o tempo de internação, em média, de 21 para 4,9 dias”, explica Luis Alberto Nicolau, diretor da rede Samel.

“Pensamos em um protótipo bastante simples, que pudesse ser produzido a baixo custo e com alta escalabilidade. O resultado foi muito positivo e esperamos que possa salvar muitas vidas. O alto custo e a falta de respiradores para atender todos os pacientes é um dos principais desafios do sistema de saúde", defende Clemilton Gomes, vice-presidente do Instituto Transire.

Os primeiros testes com pacientes foram realizados no Hospital de Campanha Municipal Gilberto Novaes, no Lago Azul, Zona Norte de Manaus, e até o momento nenhum profissional da saúde foi infectado ao utilizar a nova tecnologia.

O primeiro lote foi doado para a prefeitura de Manaus e outros municípios do Amazonas, e para Boa Vista, em Roraima. A cápsula também já foi implantada em estados como o Acre, Pernambuco e Pará. A expectativa é que a inovação possa ser replicada em todo o País. 


Veja também