Notícia 10:49 - 24 de março de 2021

O Grupo Carrefour Brasil entrou em um acordo com a Advent International e o Walmart para a aquisição do Grupo BIG Brasil SA. A transação avalia o Grupo BIG - que possui 387 lojas, 41 mil funcionários, presença em 19 estados brasileiros e venda bruta de R﹩ 24,9 bilhões registrada em 2020 -, a um valor (enterprise value) de R$ 7,5 bilhões.

A compra permite também que o Carrefour Brasil expanda os seus formatos tradicionais (principalmente Atacado e Hipermercados) e reforce a presença do Carrefour Brasil em formatos nos quais ele era mais limitado, em particular os supermercados (99 lojas Bompreço e Nacional) e soft discount (97 lojas Todo Dia).

Além disso, a rede atuará em um novo segmento de mercado, com o formato Sam's Club, por meio de um contrato de licenciamento com o Walmart Inc.. Este modelo de negócios único, premium e altamente rentável, voltado para o segmento B2C, é baseado em um sistema de associados, com mais de 2 milhões de membros, e tem um forte foco nos produtos de marca própria.

O Grupo BIG detém o ativo imobiliário de 181 lojas (47% do total) e 38 propriedades adicionais, totalizando aproximadamente R$ 7 bilhões de valor imobiliário, de acordo com uma análise independente. Por isso, a complementaridade dos dois grupos enriquecerá o ecossistema de itens e serviços do Carrefour Brasil, que atualmente atende mais de 45 milhões de clientes, e ampliará a sua base de clientes com a adição de mais de 15 milhões pertencentes ao Grupo BIG.

“A aquisição do Grupo BIG marca um grande passo em nosso desenvolvimento, ampliando a nossa presença geográfica em certos estados, expandindo a nossa atuação em formatos, além de adicionar um modelo muito promissor e que ainda não operamos - Sam’s Club. Juntos, nossa oferta será ainda mais atrativa, completa e competitiva, beneficiando o poder de compra dos consumidores brasileiros e adicionando milhões de clientes ao nosso ecossistema”, afirma Noël Prioux, CEO do Grupo Carrefour Brasil, destacando inclusive o marco que esta ação representa para o Grupo Carrefour Brasil. “Esta aquisição aponta para uma forte aceleração do nosso crescimento nos próximos anos”, completa.

A transação permanece sujeita à aprovação pelo CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), à aprovação dos acionistas do Grupo Carrefour Brasil e a outras condições habituais de fechamento. E a sua conclusão está prevista para 2022.

Próximos passos

O pagamento da transação será realizado 70% em dinheiro e 30% por meio de emissão de novas ações do Grupo Carrefour Brasil. Neste caso, o pagamento em ações do Carrefour Brasil representa inclusive uma captura rápida das sinergias, com um risco de execução relativamente baixo.

Assim que concluída a operação, o Grupo Carrefour irá deter 67,7% de participação do Carrefour Brasil (vs. 71,6% hoje), a Península Participações 7,2%; e a Advent e o Walmart terão, juntos, 5,6% de participação.

Além disso, o Carrefour Brasil também identificou um potencial de sinergia significativo, desde o primeiro ano, aumentando gradualmente para representar uma contribuição adicional líquida ao EBITDA de R$1,7 bilhão anualmente, três anos após a conclusão da operação.

O Grupo planeja otimizar a rede de lojas convertendo as unidades Maxxi para a bandeira Atacadão e espera converter parte das lojas BIG e BIG Bompreço para as bandeiras Atacadão ou Sam’s Club. As demais lojas serão convertidas para a bandeira de hipermercado Carrefour.

As ações que a rede vem realizando, desde 2019 (incluindo a aceleração de sua transformação digital), somadas a essa transação, devem gerar um investimento total superior a R$15 bilhões e representará um dos maiores na indústria de varejo brasileira no período.

A nova plataforma de e-commerce do Atacadão, junto com o novo app Meu Carrefour, pretende inclusive conectar todos os formatos do varejo em um único ecossistema para proporcionar mais conveniência e experiência de compra diária e completa aos consumidores. No paralelo, a junção de ambos também vai gerar a criação de novos postos de trabalho e de novos negócios com produtores locais.

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 


Veja também