Notícia 11:59 - 06 de agosto de 2019

O Ministério do Comércio da China anunciou a suspensão da compra de produtos agrícolas oriundos dos Estados Unidos na última segunda-feira (05/08), como resposta ao anúncio do presidente estadunidense, Donald Trump, sobre novas taxas a importações chinesas. Segundo o ministério, o país oriental ainda não descarta a possibilidade de impor tarifas adicionais aos produtos importados dos EUA.

Há uma semana, Trump comunicou novas sobretaxas de 10% sobre US$ 300 bilhões em produtos importados da China, sob a justificativa de que os dirigentes de Pequim não teriam cumprido, entre outras promessas, o aumento do volume de compras de produtos agrícolas americanos. As tarifas atingem as importações que haviam sido poupadas até agora pelos EUA e se unem às sobretaxas de 25% já impostas sobre US$ 250 bilhões em produtos importados.

No entanto, a medida foi considerada, pelo Ministério do Comércio chinês, como uma “séria violação” na guerra comercial entre os dois países, resultando na paralisação das compras. Em resposta, o presidente da Federação Americana de Agricultores, Zippy Duvall, afirmou que o anúncio chinês é um “golpe para milhares de agricultores que estão lutando para sobreviver”, segundo informações do G1.

Os dois países continuam negociando uma forma de resolver a guerra comercial aberta por Trump. Fases de progresso e desastre têm se alterado ao longo das negociações. Em maio, as conversas pareciam ter entrado em colapso, mas ganharam um impulso depois da reunião entre os presidentes dos dois países, durante a cúpula do G20 no Japão. As conversas da semana passada, porém, foram suspensas e serão retomadas no início de setembro.


Veja também