Notícia 12:52 - 23 de julho de 2021

Composto pela compilação de informações sobre as empresas do comércio varejista do Estado de São Paulo, o índice IFECAP — realizado pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) — trouxe dados relevantes sobre esse mês retirados de perguntas qualitativas realizadas com os empresários da região. O Índice Geral registrou alta de 10,91% na confiança do empresário paulista no mês de julho, quando comparado com junho do mesmo ano. A situação geral dos negócios também melhorou quando comparado com o mês anterior, atingindo 138,49 pontos (+13,89%).

O Índice Momento Atual, que diz respeito às respostas dos empresários sobre as suas encomendase, evoluções e avaliações atuais, realizadas junto a seus fornecedores, apresentou alta de 13,64%, na comparação com o mês anterior, registrando 129,15 pontos. O resultado foi influenciado pelas vendas e encomendas, 11,33% (126,46 pontos) e 15,85% (122,51 pontos) acima do verificado em junho de 2021, respectivamente.

Com o avanço da vacinação, sendo São Paulo o primeiro estado a vacinar (com uma dose) metade da população contra COVID-19, um maior movimento de clientes pôde ser visto nos comércios paulistas. Mas, apesar da recuperação econômica, o desemprego continua em alta, abrindo espaço para a volta dos camelôs na Av. Paulista, Brás e 25 de Março, que aproveitam a passagem de clientes nestas regiões de comércio, trabalho e lazer.

Os resultados do Índice Futuro, que registra as expectativas para os próximos três meses, apresentou alta na comparação com o mês anterior (+7,45%), registrando 144,42 pontos. Os resultados desse índice se devem às expectativas de vendas para os próximos meses, com alta de 9,05% (151,03 pontos), quando comparados com o mês anterior. As expectativas de encomendas futuras tiveram uma alta de 5,75% (quando comparado com junho de 2021), alçando 137,80 pontos.

De acordo com o comunicado de 21 de julho do Governo do Estado de São Paulo, 288 municípios não apresentaram novas mortes por COVID-19 na última semana, dados que não só refletem os resultados da vacinação, mas também indicam o caminho para nova flexibilizações. Mesmo com a variante delta, o vice-governador comentou que não há expectativa de mudar o planejamento de encerrar a atual fase de transição em 31 de julho. As novas medidas melhoram as expectativas dos empresários, que esperam aumento da capacidade de ocupação dos estabelecimentos.

A escolha do comércio varejista como universo da pesquisa se deve ao fato de ser esse setor o elo entre a indústria em geral e o consumidor final, uma vez que grande parte da produção de todos os setores da economia acaba circulando de alguma forma pelas empresas do comércio. Seu principal uso refere-se à previsão do nível de atividade da economia, isto porque o índice procura avaliar a expectativa real dos empresários em relação às variáveis chaves, como encomenda a fornecedores e venda ao consumidor final, ou seja, a antecipação do comportamento da produção e renda.


Veja também