Notícia 15:44 - 25 de março de 2020

A pioneira na tentativa de ajudar a população a enfrentar a pandemia do coronavírus foi a Ambev, ao anunciar que doaria 500 mil unidades de álcool em gel para os hospitais públicos municipais de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Mas apesar da iniciativa em transformar o etanol em antisséptico, a marca acabou sofrendo com a divulgação de fake news, compartilhadas pelo WhatsApp, que diziam que a empresa estava doando o produto para toda a população.

Apesar do golpe, a marca veio a público para deixar claro que toda a produção, já iniciada, será doada somente para os hospitais.

Outra marca que se destaca nesse sentido é a Ypê, fabricante dos produtos de limpeza e higiene, que toou a iniciativa de produzir álcool em gel, de 330 gramas, para ajudar na redução da proliferação do coronavírus, readequando a sua linha de produção aos insumos doados pelos fornecedores. A distribuição será feita para os colaboradores e as entidades de saúde, a serem indicados pelos órgãos de saúde pública.

A Unilever Brasil também entrou nessa "corrente de boas práticas" ao decidir doar R$ 1 milhão em produtos, equivalente a 625 mil unidades de artigos de higiene e limpeza. As doações serão destinadas aos lugares de maior vulnerabilidade social, definidas em conjunto com o governo de São Paulo, além de hospitais e lares de idosos, como A Associação Lar São Francisco e a comunidade de Heliópolis.

Com o mesmo propósito, a Diageo irá doar 50 mil litros de álcool 70%, a serem produzidos na fábrica de Ypióca, em Fortaleza (CE). Serão 100 mil embalagens de 480ml, doadas para a rede pública de saúde do Ceará.

Além dessas iniciativas, a JJ Instalações Comerciais em Maravilha (SC) também passou a produzir em suas impressoras 3D, máscaras de proteção EPI (conforme as imagens abaixo), que estão em falta em todo o Brasil, e serão doadas para os hospitais e para o Samu, para ajudar na proteção dos profissionais de saúde. "Nossos engenheiros se dedicaram e estão correndo contra o tempo para fazer o maior número de máscaras possíveis e ajudar na proteção desses profissionais", explica Thiago Simon, diretor superintendente da JJ Instalações. 

 

 


Veja também