Notícia 10:22 - 25 de fevereiro de 2021

O Sistema Coca-Cola Brasil e o Grupo HEINEKEN no Brasil anunciaram uma importante decisão relacionada ao redesenho da distribuição do portfólio de cervejas da Heineken. De acordo com o contrato, a partir de agora ambas as partes iniciarão uma transição suave das marcas Heineken e Amstel para a rede de distribuição do Grupo Heineken, no início do segundo semestre de 2021.

Além disso, a Heineken, por meio de seus centros de distribuição e de sua rede de revendedores, continuará vendendo e distribuindo as marcas Devassa, Schin, Glacial, Baden Baden, Lagunitas e todo seu portfólio não alcoólico.

Já o Sistema Coca-Cola Brasil continuará oferecendo a Kaiser, Bavaria e Sol, e complementará este portfólio com a marca premium Eisenbahn e outras marcas internacionais do portfólio do Grupo Heineken, aproveitando as capacidades e sinergias desenvolvidas ao longo de muitos anos de colaboração.

Também como parte do redesenho da parceria de distribuição, e dos termos acordados mutuamente, o Sistema Coca-Cola Brasil poderá vender e distribuir outras cervejas e bebidas alcoólicas, até uma certa proporção do portfólio da Heineken, assim como esta terá a possibilidade de explorar outras oportunidades no segmento não alcóolico da Coca-Cola. Isso permitirá que as ambos atendam consumidores e clientes do mercado brasileiro com um portfólio sólido e uma gama mais ampla de opções, aproveitando o momento positivo do reformulação.

“Estou muito satisfeito em redesenhar nossa parceria de distribuição com o Sistema Coca-Cola no Brasil. Por meio de uma rota dupla para o mercado, seremos capazes de alcançar e atender melhor nossos consumidores e clientes com nosso amplo portfólio, alavancando dois sistemas de distribuição fortes”, explica Mauricio Giamellaro, presidente do Grupo Heineken no Brasil.

O acordo terá um prazo inicial até 31 de dezembro de 2026, com possibilidade de renovação automática pelo período subsequente de cinco anos, observadas certas condições. O contrato está sujeito às aprovações regulatórias cabíveis e, como parte da negociação, as empresas concordaram em encerrar todos os litígios entre elas relativos a acordos de distribuição anteriores. “É uma notícia positiva não apenas para as partes envolvidas, mas também para nossos clientes e consumidores brasileiros”, completa Ricardo Mello, presidente da Associação dos Engarrafadores de Coca-Cola no Brasil.

 

 


Veja também