Notícia 17:35 - 27 de agosto de 2019

A AliExpress, plataforma de e-commerce chinesa especializada na entrega de mercadorias para mais de 200 países, inaugurou a primeira loja física da empresa na Europa, no último domingo (25/08). Localizada em Madri, na Espanha, a operação veio atender ao país com o terceiro maior mercado consumidor do site fora da China, atrás apenas dos Estados Unidos e Rússia.

A unidade, na verdade, funcionará mais como uma vitrine de exposição, já que o pagamento continuará sendo efetuado pelo aplicativo. O objetivo da concorrente da Amazon é apenas reduzir o tempo de entrega dos produtos - motivo de muitas queixas dos clientes - e aproximar marcas chinesas dos consumidores espanhóis. Com 740 metros quadrados, a loja focará em produtos tecnológicos, como celulares, computadores, patinetes domésticos e pequenos eletrodomésticos.

A inauguração reuniu cerca de 2.000 pessoas no shopping Xanadú, em Arroyomolinos (sudoeste da capital). Devido ao anúncio de que os 500 primeiros receberiam prêmios, a fila ocupou a área durante todo o final de semana, começando 48 horas antes do horário previsto para a abertura das portas, ao meio-dia.

O primeiro a aparecer foi David Cardero, madrilenho de 34 anos, que chegou às nove horas da manhã de sexta-feira. Para não perder a posição, Cardero dormiu ao relento por duas noites e não tomou banho durante este período. Porém, como uma grande maioria dos expectadores, não conseguiu o prêmio desejado. “Eu queria um patinete, mas não me deixaram escolher o presente. Eles vão me dar um celular, mas, principalmente, levo uma grande experiência”, afirmou para o El País durante a espera.

Apesar de pequenos contratempos, o fluxo de pessoas presentes superou as expectativas do diretor de operações da empresa, Eduardo Pisa. “As pessoas vieram porque querem ver a AliExpress em um mundo físico, ainda que os presentes ajudem a dinamizar”, considera o executivo. De acordo com a companhia, espera-se ainda que Madri sirva como porta de entrada para o mercado europeu.

Créditos/Foto: El País