Notícia 18:08 - 08 de julho de 2020

Na contramão da crise econômica, algumas pequenas empresas se mantiveram firmes durante a pandemia, segundo a pesquisa realizada pela Biz Capital, fintech que concede empréstimo online para micro e pequenas empresas, com mais de 2 mil empreendedores.

De acordo com o levantamento, desde que a pandemia começou, os mercados de bairro e as farmácias apresentaram performance 30% melhor que a média dos negócios no Brasil. Ou seja, ambos não tiveram um impacto tão negativo em seus caixas como os demais setores, como por exemplo, os de beleza, turismo e transportes, que perderam quase 20% das suas receitas.

"As farmácias e mercados conseguiram atender as demandas dos moradores do bairro, quando muita gente optou por comprar remédio ou alimentos no pequeno negócio, do lado de casa, para evitar se expor, ao invés de consumir em grandes redes. Além disso, ambos se mantiveram abertos porque vendem itens essenciais, que não deixaram de ser consumidos, diferentemente de outros serviços", aponta Francisco Ferreira, sócio-fundador da BizCapital.

Nos últimos três meses, a pesquisa também constatou que o percentual de pedidos de empréstimo no setor de farmácias foi menor que 2%. O número foi considerado baixo, quando comparado, por exemplo, ao varejo, onde os pedidos de empréstimo cresceram 10%.

Apesar da crise, Ferreira explica que alguns estados do País já estão se preparando para a retomada. "Acreditamos que o pior já passou. Pensando na volta e na recuperação financeira dos negócios, os mercados e a indústria como um todo estão mais otimistas. Esses setores, juntos, apostam em uma recuperação mais rápida", defende.

 

 


Veja também