Artigo 15:41 - 18 de dezembro de 2019

Recentemente assisti a um filme que tratava desses três aspectos da vida. Depois disso uma profunda reflexão tomou conta de mim. De que forma é possível criar conexão com o mundo corporativo engajando as pessoas, transformando o dia a dia e criando um ambiente onde todos têm a oportunidade de vivenciar seu próprio propósito de vida e deixar o seu legado? Como é possível obter de cada ser humano o seu melhor na quantidade de tempo que é permitida para que, de novo, ele possa vivenciar aquilo que se propôs a viver enquanto estiver neste planeta? Ainda mais no varejo, em que flexibilidade de horário é um desafio. Afinal, os clientes não esperam.

Dizem que pessoas felizes produzem mais. O que você acha disso? Quando estamos felizes, quando temos propósito e esse propósito se conecta com a empresa em que trabalhamos, acordamos pela manhã e seguimos para as nossas atividades com o coração quente, com uma energia que supera qualquer outra forma de criar engajamento. E o engajamento se transforma em produtividade, em melhor atendimento, em menos perdas, em maior assertividade, em lucro, em um negócio sustentável.

E como descobrimos o nosso propósito? Como entendemos que estamos no lugar certo, na hora certa, do jeito certo? Li certa vez que “a boca fala o que o coração está cheio”. Baseada nessa afirmativa, posso declarar que para descobrir nosso propósito, basta ouvir o que falamos, basta ouvir sobre o que falamos, basta escutar o nosso coração. E agora que abrimos nossos ouvidos para nos escutar e nos compreender, precisamos nos conectar com a empresa que trabalhamos. Será nesta empresa que vivenciaremos nosso propósito? E o que fazer com a resposta? E talvez seja por esse motivo, por não saber efetivamente o que faremos com esta resposta é que fujamos diariamente desta reflexão. Disseram-me que provocar essa reflexão nas empresas geraria turnover e que isso não seria bom para o mundo corporativo, principalmente para o varejo, onde esse indicador já é alto. Ainda assim minha resposta é: Let it go.

Quero pessoas com propósito trabalhando ao meu lado. Quero pessoas ao meu lado que estejam dispostas a ir à guerra comigo, mesmo de estilingue. Porque o tempo... Ah! O tempo...  ele passa igual para todos nós, mas a forma como estamos presentes no tempo que nos é permitido, a capacidade de mudar as nossas relações e os nossos resultados é única.

E o amor, sentimento traduzido em tantos outros sentimentos como a gratidão, a potência, a força, a paz, a sororidade, a humildade. Ele é a própria tradução do propósito. E por fim, a morte que se apresenta todos os dias quando terminamos um projeto, quando mudamos de emprego, quando encerramos um ciclo, quando estamos prontos para renascer. E nós, que trabalhamos no varejo, sabemos que este ciclo é diário, pois o ambiente se transforma todos os dias.

 

 

*Cibele Regis Vachianno tem 25 anos de experiência em bens de consumo. Atualmente é Diretora Comercial de Varejo e de Marketing na Rede de Variedades 1A99, Membro do Comitê Executivo do Mulheres do Varejo e Sócia Investidora da Startup Dzapp. Administradora de Empresas, coach Executivo Empresarial e com Formação em Disrupção Digital por CAMBRIDGE, em sua história estão empresas como Nivea, Nazca, Rede de Farmacias Nissei , XL, Priorize e Walmart.


Veja também