Notícia 15:59 - 08 de outubro de 2019

O setor supermercadista obteve aumento real de 3,39% nas vendas entre janeiro e agosto, de acordo com o Índice Nacional de Vendas da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), divulgado na última sexta-feira (04/10). O resultado apresenta o maior valor acumulado para o período desde 2014. Apenas no mês de agosto houve crescimento de 4,25% em relação a julho, e de 7,10% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Para o presidente da ABRAS, João Sanzovo Neto, esse incremento associado ao aumento das vagas de emprego – com o acumulado até agosto chegando a 504 mil postos, segundo o Caged -, à expansão do crédito à pessoa física, à queda dos juros e à estabilidade dos juros, mostra que a economia brasileira está começando a reagir.

“Parece que o Brasil voltou ‘a respirar’, e não apenas o nosso setor [de supermercados]. Os resultados positivos se estendem para o comércio varejista em geral, o de serviços e para a indústria. Acho que, finalmente, nossa economia está reagindo, e espero que esse processo seja contínuo”, declara o executivo.

Apesar da comemoração de bom desempenho após a recessão econômica prolongada, o presidente alerta que as conquistas não são suficientes para deixar de ter cautela quanto a uma nova projeção de vendas. "Embora as contratações formais tenham apresentado crescimento, infelizmente, a taxa de desemprego continua elevada, uma parte da população segue endividada, e a recuperação ainda está aquém do ideal, o que faz o consumidor ponderar seus gastos. Mas as nossas expectativas são boas para o final do ano, e os próximos meses serão decisivos para o setor supermercadista”, considera.

Queda nos preços

O indicador Abrasmercado, que identifica as oscilações de preços dos 35 produtos mais consumidos no autosserviço, registrou queda de -1,90% em agosto, passando de R$ 483,84 para R$ 474,64. Já no acumulado dos 12 meses, a cesta teve alta de 3,51% na comparação com agosto de 2018.

De acordo com a GfK, responsável pela apuração do Abrasmercado, as maiores quedas nos preços foram registradas nos itens: tomate, 31,92%, batata, -7,64%, leite em pó integral, -3,18%, e feijão, -3,12%. As altas foram identificadas nos produtos: cebola, 5,93%, farinha de mandioca, 3,84%, biscoito cream cracker, 2,03%, e detergente líquido para louça, 1,59%.

Por região

Em agosto, todas as regiões brasileiras apresentaram queda nos preços da cesta Abrasmercado. As maiores variações negativas foram registradas na Região Nordeste, -2,90%, com o valor de R$ 420,01, impulsionado por Maceió, -4,11% e Salvador,-3,72%; e a Região Sudeste, -2,49%, resultado puxado pela Grande Rio de Janeiro, -4,48%, e Grande São Paulo, -2,38%.

Índice de confiança

Os empresários do autosserviço estão mais otimistas, de acordo com o Índice de Confiança do Supermercadista, elaborado pela ABRAS em parceria com a GfK. Depois de uma queda, o indicador voltou a apresentar crescimento. A pesquisa registrou 55,6 pontos (numa escala de 0 a 100), na última avaliação, divulgada em junho, o índice estava em 54,9 pontos.  Dentre o principal motivo citado pelos supermercadistas está a economia, que aos poucos tem mostrado sinais de recuperação.

Veja também:

Grupo Coutinho espera faturar R$ 1,5 bilhão até 2021

Consumidores maduros são target potencial para o varejo

Supermercados e Heineken promovem ação de reciclagem